Atendimento:

+55 (11) 3818-4600

Whatsapp: (11) 3818-4600

seg. a sex. das 9 às 19h

22/10/2021

EuroR$ 6,85

DólarR$ 6,95

Nacionais
Internacionais
Nacionais
Internacionais

Ambiental Cultural

Curiosidades impressionantes sobre o nosso grande Rio Amazonas que você vai gostar de saber

Curiosidades impressionantes sobre o nosso grande Rio Amazonas que você vai gostar de saber
Sua profundidade pode chegar a mais de 120 metros nos períodos de cheia: mais alto do que a estátua do Cristo Redentor, Estátua da Liberdade e o Big Ben

O Rio Amazonas impressiona não só por sua beleza, mas também por seus números. Vamos a eles:

 

Durante muito tempo, se considerava o Amazonas apenas como o rio de maior vazão de água no Mundo (ele possui 60 vezes o volume de água do Nilo).

 

Estudos do início do século 21 mostraram que o Amazonas é maior também em extensão. Portanto: o maior Rio do Mundo em extensão e vazão de água.

 

O Rio Amazonas tem 6.992 quilômetros de comprimento, sendo 3165 deles em território brasileiro. 

 

Durante seu trajeto, ele é abastecido por cerca de 1100 afluentes.

 

O rio Amazonas está presente no Peru, Colômbia e Brasil e sua bacia hidrográfica está também na Bolívia, Equador, Venezuela e Guiana.

 

 

O nosso grande rio Amazonas: Largo e Profundo

 

No seu ponto mais largo, o rio Amazonas atinge na época seca 11 quilômetros de largura, que se transformam em 50 quilômetros durante as chuvas.

 

Em média, a profundidade do Amazonas é de cerca de 50 metros, mas, em seus pontos mais profundos, no oeste paraense, chega a 120 metros (o equivalente a mais de três vezes o tamanho da estátua do Cristo Redentor, no Rio de Janeiro)

 

 

Os outros nomes do o Rio Amazonas?

 

O rio nasce com o nome de Vilcanota e recebe depois as denominações de Uicaiali, Urubamba e Marañón.

 

Quando entra no Brasil, torna-se Solimões, até o encontro com o rio Negro, próximo de Manaus. Desse ponto até a foz recebe o nome de Amazonas.

 

 

O encontro das águas

Por 6 quilômetros, rios correm sem misturar suas águas

Por 6 quilômetros, rios correm sem misturar suas águas

 

Famoso ponto turístico de quem passa por Manaus, o encontro das águas é um espetáculo de rara beleza. 

 

Antes de se tornar Amazonas, o rio Solimões se encontra com o rio Negro. Suas águas de coloração distinta correm lado a lado por seis quilômetros sem se misturar.

 

Segundo cientistas, isso ocorre porque  a composição química, a temperatura e a velocidade dos dois são diferentes. 

 

 

Pororoca

 

A força do Rio Amazonas é tanta que seu encontro com o mar provoca um enorme barulho e gera grandes e violentas ondas causando forte destruição em ser percurso, modificando, assim, as margens dos rios e destruindo a vegetação ribeirinha.

 

A esse encontro, dá-se o nome de Pororoca

 

O Rio Amazonas é responsável por um quinto do volume de água doce que deságua em oceanos em todo o Mundo:  210.000m3/s

 

Segundo pesquisadores, a salinidade do oceano é bem mais baixa do que o normal, mesmo após 150km mar adentro do início do encontro entre o Amazonas e o mar.

 

 

O Rio Amazonas atravessa a maior biodiversidade do planeta

Amazonas ajuda a compor a maior biodiversidade do planeta

Amazonas ajuda a compor a maior biodiversidade do planeta

 

O rio Amazonas não só atravessa, como ajuda a compor a maior biodiversidade do planeta: A Floresta Amazônica. Em seus 4 milhões de km2, estão mais de 1300 espécies de aves; mais de 3000 espécies de peixes; mais de 30000 espécies de plantas;

 

A flora inclui mais de 1,5 milhões de espécies vegetais catalogadas.

 

 

Os Cruzeiros Fluviais

A navegação fluvial é a melhor forma de se conhecer a Floresta

A navegação fluvial é a melhor forma de se conhecer a Floresta

 

Durante todo seu trajeto no território brasileiro, o rio Amazonas sofre um desnível suave de apenas 82 metros. Por isso, acaba sendo um rio com ótimas condições de navegação.

 

A navegação é um modo muito rico de se transportar e de conhecer a floresta. Os cruzeiros fluviais são ótimas opções para quem quer estar perto da diversidade da floresta, das comunidades ribeirinhas, do Amazonas e de seus diversos afluentes.

 

 

Há 9 milhões de anos

 

Estudo feito por um grupo de cientistas da Universidade de Brasília, em parceria com instituições de ensino europeias, chegou à conclusão de que o rio Amazonas deságua no oceano Atlântico há, pelo menos, nove milhões de anos.

 

Outra revelação desta pesquisa foi que antes o rio corria para a costa oposta, o Pacífico

 

Segundo esse estudo, o fato de o rio Amazonas desembocar no Atlântico hoje foi ocasionado no passado pelo movimento das placas tectônicas Nazca e Sul-Americana, sobre as quais a América do Sul se localiza.

 

-------------

Leia no Blog da Ambiental:

 

Cruzeiros Fluviais: uma forma especial de conhecer a Amazônia 

 

Lodges ampliam o contato do viajante com a natureza unindo sustentabilidade e conforto 

 

Artigos que foram consultados para a escrita deste texto:

 

https://www.unbciencia.unb.br/exatas/45-geociencias/602-novidades-sobre-a-origem-do-rio-amazonas

 

https://portalamazonia.com/amazonia/voce-sabe-a-profundidade-do-rio-amazonas

 

https://mundoeducacao.uol.com.br/geografia/o-rio-amazonas.htm

 

https://www.todamateria.com.br/rio-amazonas/           

 

------------

 

Desde 1987, a Ambiental realiza viagens sustentáveis pela Natureza, sem abrir mão de conforto e segurança aos viajantes.

 

Para nós, o contato com a Natureza e com as comunidades locais são uma oportunidade de diversão, autocuidado e formação de consciência socioambiental.

 

Quer fazer uma viagem sob medida, aproveitando ao máximo seu tempo de viagem e as melhores opções de cada destino?

 

Conte com nossa experiência.

 

Fale com nossos consultores: 11 3818-4600 (Whatsapp e telefone)

Gostou dessa matéria? Leia mais