Atendimento:

+55 (11) 3818-4600

Whatsapp: (11) 3818-4600

seg. a sex. das 9 às 19h

02/12/2022

EuroR$ 5,67

DólarR$ 5,40

Nacionais
Internacionais
Nacionais
Internacionais

Ambiental Cultural

O fascinante Humboldt: O naturalista viajante que, no século 18, percebeu que o clima passava por mudanças geradas pela ação humana

O fascinante Humboldt: O naturalista viajante que, no século 18, percebeu que o clima passava por mudanças geradas pela ação humana
Na imagem, selo postal impresso pelo governo alemão para comemorar o 250º aniversário do nascimento de Alexander von Humboldt

Para alguns, Humboldt é o pai da Ecologia. Geógrafo, polímata, naturalista, herói de Darwin... o alemão, que viveu entre os séculos 18 e 19, abandonou o serviço público e gastou uma herança milionária viajando, estudando a natureza e fazendo descobertas científicas que mudaram a história da humanidade.

 

Nesse texto delicioso, Esther Rapoport – historiadora especializada em turismo – nos apresenta essa figura das mais fascinantes da história.

 

Se você gosta daquela viagem em que você aprende muito e volta mais rico de conhecimento e cultura, você precisa saber mais sobre Alexander Von Humboldt.

 

Vamos ao texto gentilmente cedido pela Esther: 

 

Vamos para o Início século XIX e vou falar de Humboldt, Alexander Von Humboldt, aquele mesmo Humboldt da corrente de Humboldt que passa pelo Oceano Pacífico na costa do Peru, da Universidade Humboldt de Berlim, do famoso pinguim Humboldt, da cidade de Humboldt no Canadá, e o mesmo Humboldt que nomeia 19 animais, 17 plantas, duas geleiras, oito montanhas e serras, um rio, dois asteroides, um mar lunar, uma cratera lunar, incontáveis escolas e ainda a levedura Pichia humboldtii.

O pinguim de Humboldt vive nas costas do Chile e Peru

O pinguim de Humboldt vive nas costas do Chile e Peru

 

Figurinha muito admirada por seus contemporâneos como: Thomas Jefferson, Johann Wolfgang von Goethe, Simón Bolívar, que teria dito que Humboldt era "el descubridor del Nuevo Mundo", e Charles Darwin, que disse que nunca teria embarcado no Beagle se não tivesse lido o trabalho e as observações de Humboldt, seu grande herói. Esse é que era “o” cara, considerado o Shakespeare das Ciências Naturais.

 

UMA HERANÇA MUITO BEM GASTA

 

Mas vou retroceder um pouquinho no tempo para dar uma geral na sua história. Nasceu no seio de uma família abastada, da aristocracia prussiana. E quem tem berço, tem escola. Alex, se me permitem a intimidade, estudou muita coisa, embora gostasse mesmo era da Natureza. Quando sua mãe morreu, herdou uma fortuna que permitiu realizar seu sonho de consumo, que deve ser o sonho de meio mundo: largou seu trabalho no serviço público e partiu pelo mundo para estudar o Planeta. Foi logo atravessando o Atlântico com destino a América Hispânica, estudando tudo: florestas, montanhas, plantas, animais, solo, rochas, clima, etc, etc ...

 

Uma expedição montada, bancada, realizada e registrada apenas pelo interesse científico. Nenhum interesse comercial! (suspiros ...)

 

HUMBOLDT NA AMÉRICA: SUSPEITA DE ESPIONAGEM E UMA LISTA ENORME DE DESCOBERTAS

 

Ele passou pelas atuais Venezuela, Colômbia, Equador, Peru, Cuba e México mas não pode atravessar nem permanecer no Brasil, pois os portugueses achavam que ele seria um espião alemão.

 

Dá uma olhada na lista de observações, descobertas e conclusões dele, só nessa viagem:

 

·       Escalou o vulcão Chimborazo (Equador) sobre o qual produziu o primeiro infográfico da história, era um pôster de 90 cm de largura, que vinha como encarte em um livro, chamado Ensaio sobre a Geografia das Plantas. 

 

·       Praticamente inaugurou a SISMOLOGIA, estudando os vulcões da cordilheira dos Andes.

 

·       Estudou a corrente marítima do Pacífico, que ganhou seu nome.

 

·       Desenhou um mapa-múndi prestando muita atenção às LATITUDES e destacando as correspondências entre ecossistemas de continentes diferentes. O Deserto do Atacama na mesma latitude do Deserto de Kalahari; a savana africana e o cerrado brasileiro; a Amazônia e as florestas do Congo. Tentando entender por que dois lugares em dois continentes têm clima, relevo, provavelmente fauna e flora similares. Foi o primeiro a documentar as zonas climáticas do mundo

 

·        E provou também que, em uma determinada altitude nas montanhas, a vegetação é semelhante em todo o mundo. Humboldt lançou as bases das ciências físicas da geografia e da meteorologia.

 

·       Levantou uma hipótese, muito antes da teoria das Placas Tectônicas, de que América do Sul e a África estiveram conectados no passado.

 

·       Estudou a diminuição da intensidade do campo magnético terrestre dos pólos à linha do equador.

 

·       Falou do poder das matas em esfriar e umedecer a atmosfera além de proteger os lençóis freáticos e o solo da erosão

 

·       Na bacia do Rio Orinoco, Humboldt percebeu que palmeiras chamadas buritis eram uma espécie-chave para o ecossistema: os frutos comestíveis atraiam pássaros, a terra úmida que ficava nos troncos protegia insetos e minhocas da aridez, e se elas fossem cortadas esse ecossistema entraria em colapso.

 

·       Observou como o sistema de irrigação no altiplano mexicano acabou com a fertilidade das terras que ficavam no vale, aos pés do altiplano.

Humboldt escalou o Chimborazo (equador) em uma época em que se acreditava que ela era a montanha mais alta do mundo

Humboldt escalou o Chimborazo (equador) em uma época em que se acreditava que ela era a montanha mais alta do mundo

 

HUMBOLDT: O PRIMEIRO AMBIENTALISTA?

 

E muito antes da Greta Tintin Eleonora Ernman Thunberg nascer, Humboldt reconheceu que o clima passava por mudanças em função da ação do homem, do desmatamento, da irrigação artificial e da emissão de gases e calor nos centros industriais. Humboldt foi o primeiro ambientalista do nosso planeta, o homem que descobriu que o ser humano está modificando o clima.

 

Além de bancar suas viagens, usou a grana da sua herança para a publicação de seus livros, que foram sucesso de vendas, verdadeiros Best Sellers, mas como naquela época não existiam direitos autorais, nunca recuperou o valor investido. Além disso, Humboldt financiava outros pesquisadores e jovens cientistas, e na velhice já tinha praticamente zerado sua conta bancária, vivendo em um apartamento alugado em Berlin, pago com ajuda de amigos.

 

Seu trabalho mais importante, considerado por ele como “o livro da sua vida” foi uma mega coleção com cinco volumes, chamada “Kosmos” que reúne suas observações e ideias sobre a Natureza e que vai dos fungos às estrelas, fruto de uma vida de estudos e observações. O último livro da coleção foi publicado após sua morte.  

 

UMA VIDA LONGA E MUITO PRODUTIVA

 

Ele morreu pouco antes de completar 90 anos, solteiro e pobre. Mas não sozinho.

 

Nunca ficou sozinho, nem mesmo levando-se em conta que ele viveu numa época sem whatsapp ou facebook. E mesmo sem redes sociais, Humboldt compartilhou todo esse conhecimento com uma tremenda rede de amigos, parceiros, cientistas e outros pesquisadores, a vida toda. Como?? Simples ... por carta!

 

Está documentado que além de estudar e produzir textos e livros em profusão, este homem escreveu e mandou mais de 50 mil cartas, uma média de duas por dia, para uma rede de 2.500 destinatários!

 

Imagina se ele estivesse no Twitter!!!

 

Esther Rapoport

------------

Desde 1987, a Ambiental realiza viagens sustentáveis pela Natureza, sem abrir mão de conforto segurança aos viajantes.

 

Para nós, o contato com a Natureza e com as comunidades locais são uma oportunidade de diversãoautocuidado e formação de consciência socioambiental.

 

Quer fazer uma viagem sob medida, aproveitando ao máximo seu tempo de viagem e as melhores opções de cada destino?

 

Conte com nossa experiência.

 

Fale com nossos consultores: 11 3818-4600 (Whatsapp e telefone)

--------------------------

 

FONTE DAS IMAGENS QUE ILUSTRAM O TEXTO DA ESTHER: BBC

 

 

Gostou dessa matéria? Leia mais